Márcia Ribeiro/Folhapress
Vira-lata sem dono vai morar em condomínio por decisão da Justiça
GABRIELA YAMADA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DE RIBEIRÃO PRETO

"Sem-teto" e "sem-dono", o vira-lata Fred agora tem onde morar. Uma liminar da Justiça garante que ele pode residir no espaço comum de um condomínio de classe média de Ribeirão Preto.
Fred, que apareceu no condomínio em janeiro, é um animal comunitário --não tem um dono específico-- e foi adotado por alguns moradores do Residencial Primavera, no Jardim Independência, na zona norte da cidade.
Mas o assunto virou polêmica e divide os moradores. O cãozinho foi expulso do condomínio três vezes.
Por isso, parte dos moradores propôs uma ação para garantir a permanência dele no residencial, que, por sua vez, vai recorrer da decisão.
Com a liminar, caso Fred desapareça, o condomínio deve pagar multa diária de R$ 200 para a AVA (Associação Vida Animal), ONG que defende os bichinhos.
Uma das autoras da ação, a policial militar e moradora do Residencial Primavera, Eliana Aparecida Grizola diz que o cão é querido e cuidado principalmente por crianças.
Para sensibilizar o juiz Héber Mendes Batista, da 4ª Vara Cível, crianças escreveram cartas ao magistrado pedindo a permanência de Fred no local.
Mas o advogado Luís Otávio Dalto de Moraes, que representa o condomínio, alega que a presença de animais em áreas de uso comum é vedada por normas na convenção e no regimento interno do Residencial Primavera.
"[O condomínio] Não é contra o cachorro. O problema é que não estão assumindo responsabilidades, como limpar a sujeira que ele faz", afirmou o advogado.
Moraes também irá apresentar à Justiça relatos, por escrito, de moradores que afirmam ter sido atacados.


Esta notícia é para se pensar. Estão em foco discussões que devem beneficiar tanto os moradores, como o Fred!
O que você pensa a respeito?
Opine também.
Kátia

4 Deixe aqui seu comentário:

Nestor - Segurança do Trabalho nwn disse...

Katia
esse é mais um caso complicado, para ser bem sincero... não queria estar na pele de nem um dos dois lados. Pois de todo jeito alguém sairá perdendo!!!

Felipe disse...

Katia
Os moradores que se dispõem a depor, alegando terem sido atacado pelo cão, serão contraditados pois têm interesse direto no desfecho da causa.
O juiz poderá ouvi-los como informantes do Juízo, dando ao seu testemunho importância ou não.
Caso se comprove que estão mentindo, apenas para tirar o animal do edifício, sofrerão as penas do falso testemunho, sobrando também para o condomímio que poderá ser condenado por litigância de má-fé.
Agora, se comprovarem que o animal oferece perigo ele será retirado.
Perigo não é só morder as pessoas, mas quanto a limpeza das áreas comuns.
Seria fácil resolver o problema se os que querem a permanencia do cão se r4esponsabilizassem pela limpeza, fazendo revezamento.
Isso deveria constar nos autos.
Abraços
Felipe

O Internauta do Amor disse...

um pouco de justiça,pelo menos com os animais!
meu cãozinho Chicó,um Chihuahua metido a vira-lata,
só porque brinquei dizendo que ia doá-lo, ele ontem passou
o dia inteirinho triste.imagine se isto fosse verdade.

Daniella Silva disse...

Gosto muito dos animais, acho que pra começar se o fred estava na rua perdido foi porque primeiro alguém o abandonou, as pessoas pegam um animal para criar e depois quando começa dar trabalho, simplesmente abandona nas ruas por isso é que vemos tantos animais abandonados, sofrendo de fome,sendo atropelados e muitas outras injustiças.Acho que a Eliana deveria se esforçar para adaptar o fred dentro da casa dela, já que os moradores são contra que ele fique livre no condomínio.